Fertilização In Vitro (FIV)

Quando os tratamentos de menor complexidade como o coito programado ou a inseminação intrauterina não são efetivos; ou ainda quando há indicação clínica, são utilizadas técnicas mais complexas, como a fertilização in vitroclássica e a ICSI. A FIV é um processo em que a mulher deve ser acompanhada minuciosamente pelo especialista para que, com medicamentos adequados, haja um desenvolvimento, crescimento e maturação dos óvulos.

É o tratamento adequado para pacientes com as tubas uterinas danificadas ou ausentes, pois cria um atalho da tuba uterina. A FIV também tem ajudado pacientes com endometriose, fator masculino moderado ou grave, infertilidade sem causa aparente, e várias outras desordens da fertilidade.

A coleta dos óvulos é feita por via transvaginal guiada por ultra sonografia. Geralmente é utilizada anestesia geral, mas também pode ser feita com sedação venosa e anestésicos locais. O óvulo é colocado em contato com espermatozoides previamente selecionados em placas de cultura, de modo que a seleção espermática e consequente fertilização ocorram naturalmente. Após 2 a 6 dias de desenvolvimento embrionário in vitro o embrião é transferido para a cavidade uterina da mulher, guiado por ultra-sonografia transabdominal.